Macau

Cinema ao ar livre com sessões gratuitas | Até 22 de Dezembro

Organizado pela Associação República das Artes, o primeiro festival de cinema ao ar livre de Macau arranca hoje no relvado do Museu da Ciência de Macau, com a exibição do filme de Wim Wenders “Asas do Desejo”. Entre 13 e 22 de Dezembro (13/12 e 22/12) serão projectados oito filmes clássicos e outros tantos documentários sobre fotógrafos conceituados.

A primeira edição do festival “The Gaze” pretende recuperar a magia do cinema ao ar livre com oito sessões gratuitas no relvado do Museu da Ciência de Macau de filmes clássicos como “O Acossado”, de Jean-Luc Godard, ou “Stalker”, de Andrei Tarkovski. “É um cinema diferente. A ideia é que também seja uma sessão de cinema para todos, para a família, onde as pessoas podem estar à vontade, podem comer, podem beber, tudo ao ar livre. É essa a nossa ideia, de ser uma actividade não só de estar a assistir a uma exibição cinematográfica, mas também de convívio, de relaxamento”, disse Sofia Salgado ao PONTO FINAL.

A coordenadora da Associação República das Artes considera que faltava um evento deste género em Macau, e que o projecto será para continuar no futuro, apesar de desconhecer os moldes. “Esperamos que esta actividade venha a crescer, ainda não sabemos em que moldes, mas, para já, é uma estreia, e no próximo ano vamos ainda ver em que moldes em que isto vai evoluir”, disse Sofia Salgado, acrescentando que houve apoio do Instituto Cultural para a realização do evento.

“Nunca foi feito um evento deste género antes, assim ao ar livre, para o público em geral. É sempre difícil em Macau conseguir espaços públicos para actividades de associações privadas, então é sempre uma vitória conseguir um espaço para fazer um actividade na rua”, referiu, assinalando que o espaço junto ao Museu da Ciência tinha as condições necessárias para realizar o evento ao ar livre.

“É um espaço relvado e nós queríamos uma área relvada, ou pelo menos minimamente confortável, que não fosse cimento. Vamos tentar proporcionar algum conforto às pessoas para que não se tenham de sentar no chão, vamos ter alguns puffs e distribuir algumas mantas se estiver frio”, revelou a coordenadora da Associação República das Artes.

Para dar início ao festival, a organização escolheu “Asas do Desejo” de Wim Wenders. Todos os filmes em cartaz começam às 18h15, sendo precedidos de um documentário sobre fotógrafos conceituados, nomeadamente La Jetée, Henri Cartier-Bresson, Martin Parr, Marc Riboud, Edouard Boubat, Joseph Koudelka, Robert Doisneau e William Klein.

Para além de “Asas do Desejo”, o programa inclui “Un Cuento Chino”, de Sebastián Borensztein, “In the Mood for Love”, de Wong Kar-Wai, “Nausica”, de Hayao Miyazaki, “O Acossado”, de Jean-Luc Godard, “Not One Less”, de Zhang Yimou, “Stalker”, de Andrei Tarkovski, e “8 ½”, de Federico Fellini. “Escolhemos esta diversidade de filmes para ser uma diversidade de cinema que não é normalmente tão popular como as correntes nas novas plataformas”, referiu Mica Costa Grande ao PONTO FINAL. O organizador do evento assinalou também a “componente visual muito forte” da selecção de filmes do festival.

“Todos [os filmes] têm a componente visual muito forte, e na introdução de cada filme vamos ter sempre um documentário sobre um fotógrafo. O nosso objectivo principal na montagem deste evento ao ar livre é que ao mesmo tempo sejam filmes que tenham alguma relação com o público”, afirmou Mica Costa Grande. “Temos filmes desde 1950 até agora. Do Goddard até a um filme argentino que se chama ‘Um Conto Chino’, que é o mais recente, que é de 2011, mas todos eles têm essa componente de fotografia, a cinematografia deles é de grande qualidade”, acrescentou.